Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Uma mulher vestida de silêncio: A biografia de Maria Thereza Goulart

A ex-primeira-dama Maria Thereza Goulart narra em biografia o périplo ao lado do marido. Nascida em São Borja, ela casou-se com João Goulart em 1955, tornando-se primeira-dama em 1961, ocasião em que Jango assumiu a Presidência.

Com o golpe que tirou o marido do cargo, ela deixou o Palácio da Alvorada em 1964, com os dois filhos e uma mala de mão. Todo o resto ficara para trás. A única saída da família foi o exílio no Uruguai.

Se em 2019, sob uma democracia estranha, em que um ex-presidente é impedido de ir ao velório do irmão, há 55 anos atrás, Maria Thereza Goulart sequer pôde entrar no país para enterrar os próprios pais.

"Perdi minha mãe, perdi meu pai, mas não deixaram entrar no Brasil. Não pude nem me despedir. Fui até ameaçada de ser presa, caso entrasse no país. Para o meu coração, foi um momento muito difícil, quase não superei isso. Fiquei abalada. Eu não representava perigo para o Brasil. Foi tudo muito injusto e muito violento também" - em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, em 14 de abril de 2019.

Maria Thereza Goulart relata os episódios de humilhação em um destacamento militar em Rio Grande. Pessoas armadas que a acompanhava até nos afazeres mais íntimos, como ir ao banheiro. Foi obrigada a ficar nua, fato nunca revelado ao marido, para não lhe causar mais sofrimento.

Com as ditaduras no Uruguai e na Argentina, a família se dispersou, os filhos foram para Londres, João Goulart vivia sob constantes ameaças, "tempos difíceis" como ela mesmo classifica.

Para ela, a tentativa de revisionismo do golpe de 1964, esse que troca a palavra por revolução, nada mais é que falta de respeito com as pessoas que sofreram na ditadura.

 

Título: Uma mulher vestida de silêncio: A biografia de Maria Thereza Goulart

Autor: Wagner Willian

Editora: Record

644 páginas

 

Da redação